sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Na íntegra



O endoscopista, Dr. Bruno Sander, falou em entrevista para o programa Diário do Rádio, pela Rádio Inconfidência, sobre a relação do diabetes com a obesidade. Confira!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Como lidar com a liberdade do amor?

Será que o amor deixa o outro livre para amar? Especialista fala sobre as diversas formas de discurso e pensamentos sobre o amor. 


Quem nunca amou sem ser correspondido? Ou quem já esteve em um relacionamento e se sentia preso? A maioria das pessoas quer amar e ser amado, mas será que esse tipo de relação pode nos aprisionar? Será que entendemos o amor e todas as suas formas e linguagens? 

Sônia Eustáquia, psicóloga e sexóloga explica que existem várias formas de expressar o sentimento de amor. “Amar pode significar fazer o bem à outra pessoa ou simplesmente ser um sentimento mais egoísta vivido narcisicamente, ou seja, voltado para si mesmo. Entretanto, amar o outro em liberdade, para mim, é a única forma boa de expressar o sentimento. Ou seja, é preciso eliminar o conteúdo autoritário dessa relação e garantir a quem amamos a liberdade de amar além e apesar de nós e de nosso amor. É preciso amar mais a possibilidade de amar que o próprio amor e os nossos objetos de amor. Devemos assim amar o nosso amor independentemente de estar recebendo o amor do outro”.

Segundo a especialista, a dificuldade para a realização plena do amor entre as pessoas não é um problema desse sentimento em si, mas do ambiente social, dos preconceitos, do moralismo laico ou religioso, do autoritarismo, da luta de classes, dos interesses econômicos e políticos.Ela garante que essas questões influenciam o sentimento de liberdade na hora de amar. “Não se trata de "libertinagem" e sim de liberdade. Que nosso amor esteja cheio de vida e cor, que seja voluntário e desejado. Livre de coerções morais, econômicas, políticas ou sociais”, disse. 

Os conflitos do amor

Ela explica que dentre tantos conflitos, é possível amar alguém e não amar a se mesmo. “As crianças amam em primeiro lugar a si próprias, e apenas mais tarde é que aprendem a amar os outros e a sacrificar algo de seu eu aos outros. As próprias pessoas a quem uma criança parece amar desde o início, no começo são amadas por elas porque necessita delas e não pode dispensá-las, por motivos egoístas mais uma vez. Somente mais tarde o impulso de amar se torna independente do egoísmo. É literalmente verdadeiro que seu egoísmo ensinou a amar”, define.

A especialista não descarta questões ligadas à maturidade da pessoa ao enfrentar situações como amar sem ser amado ou ser amado e não poder amar. “A não correspondência do amor é algo muito ruim em se tratando do amor romântico. É ruim para quem não o recebe como também é muito ruim não o sentir quando a outra pessoa tem a expectativa dele”.

A sexóloga lembra que Freud, criador da psicanálise, considera que as paixões são, na verdade, ecos das lembranças do amor infantil. É o amor vivido na infância que rege a vida de cada um. Dessa vivência resulta o que cada um será no futuro e o Complexo de Édipo seria a modulação da forma de cada um amar. “De certa forma o amor incomoda, porque queremos estar pertos e junto da pessoa amada para nos sentir completos. Também incomoda porque a ameaça de perda põe em risco o próprio sossego. Dessa forma, o amor já não é tão libertador como poderia ser. Também, estamos sempre querendo o outro por perto para suprir a nossa falta existencial, por isso, a dificuldade em deixá-lo ir. É como se fosse uma perda ou se afastasse de nós mesmos um pedaço nosso”, esclareceu.

A especialista ressalta que a experiência do amor está ligada à experiência dos efeitos inconscientes. “Pode parecer complicado, mas, é muito bom amar. Sempre estar em estado de amor!”. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Novembro azul – Alimentação ajuda na prevenção do câncer

Manter o peso ideal, praticar exercícios físicos regularmente, não fumar e estabelecer uma dieta saudável ajuda a prevenir o câncer de próstata.


O câncer de próstata é o segundo mais comum entre homens, atrás apenas do câncer de pele não melanoma e acomete um a cada seis indivíduos.É tempo de conscientização sobre a saúde e nossos hábitos de vida. O Novembro Azul é o mês em que as discussões tão direcionadas aos cuidados com a alimentação, a saúde masculina em geral, e principalmente quebra do tabu que é o exame para detectar o câncer de próstata.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de próstata afeta 60 mil homens por ano. Muitos desses casos podem ser facilmente evitados e combatidos com bons hábitos alimentares e um estilo de vida mais saudável. Quando os casos não são fatais, muitas vezes deixam sequelas importantes, como incontinência urinária e disfunção erétil. Para evitar isso, é necessário que a próstata seja examinada uma vez por ano a partir dos 45 anos.Algumas pesquisas registram que homens que abusam de bebidas alcoólicas e os fumantes têm maior risco de desenvolver a doença. Da mesma forma, obesos e homens com sobrepeso fazem parte do grupo de risco.

Por isso, a nutricionista, Nina Caselato afirma que manter o peso ideal, praticar exercícios físicos regularmente, não fumar e estabelecer uma dieta saudável ajuda a prevenir uma série de doenças crônicas, inclusive, o câncer de próstata. De acordo com a especialista, alimentos processados como salsicha e peito de peru (ricos em nititos e nitratos), refrigerante, frituras, e até mesmo aquela carne queimadinha do churrasco podem, de alguma forma, favorecer o surgimento do câncer. A forma de preparo dos alimentos também pode influenciar. “Frituras e carnes de churrasco liberam hidrocarbonetos aromáticos que podem aumentar a chance incidência da doença. O ideal é consumir alimentos assados e grelhados em baixa e média temperatura”, afirma. 
                             
Prevenção

Em contrapartida, Nina afirma que alguns alimentos podem auxiliar no combate à doença. “Brócolis, chá verde, alho, frutas vermelhas, açafrão que atuam no combate a radicais livres que, quando em excesso, levam a mutações celulares capazes de originar um câncer. É recomendável consumir pelo menos algum desses alimentos todos os dias, de maneira regular”, explica.


Ela ainda recomenda que para quem esteja em tratamento, alimentos como alho, frutas vermelhas e azeite e a redução no consumo de alimentos com alto índice glicêmico como pães, bolos e açúcares. 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Na íntegra


A angiologista, Dra.Juliana Biagioni, falou, na última sexta-feira, em entrevista para o Jornal Bom Dia Minas sobre como prevenir doenças circulatórias. 

Confira no link: Globo.com


segunda-feira, 14 de novembro de 2016

A importância do planejamento tributário em momentos de crise

Especialista garante que um bom planejamento pode reduzir em até 30% a carga tributária de uma empresa e evitar até situações de falência.


Em momentos de crise as empresas buscam formas de reduzir custos para manter a sua saúde financeira e estabilidade. E uma das formas de enxugar os gastos de maneira inteligente é por meio do planejamento tributário, que permite que a empresa tenha um “retrato”, ou seja, um controle mensal de todas as suas atividades financeiras, tornando-se uma ferramenta gerencial na tomada de decisão. “O planejamento tributário não é importante apenas para as empresas, mas para as pessoas físicas também, principalmente os profissionais liberais”, afirmou Renato Augusto Santos Viana, contador, especialista em gestão empresarial e diretor da CSF assessoria contábil, em Belo Horizonte.

De acordo com o especialista, as empresas que utilizam da contabilidade para fazer um estudo ou planejamento tributário da sua atividade, podem reduzir até 30% de sua carga tributária, por exemplo. “A assessoria contábil auxilia na reorganização e recolocação dos investimentos, custos e evita a exposição a multas, além de validar e auditar as obrigações fiscais enviadas para o Fisco, que é um raio x da empresa”, conclui. 

Como evitar penalidades fiscais

Renato ressalta que todas as empresas, em crise ou não, precisam buscar orientações fiscais e contábeis, com o objetivo de evitar penalidades que podem levar à falência. “Por isso é tão importante buscar uma assessoria contábil não só em momentos de crise ou para a apuração de impostos, mas desde a abertura de uma empresa para registrar sob as normas legais todos os acontecimentos financeiros e econômicos de uma organização. Todos os documentos comprovantes de operações de compras, vendas, transferências, empréstimos, dentre outros, são registrados por um contador de maneira que os gestores tenham demonstrativos que comprovem todas as origens e aplicações de recursos, ou seja, como a empresa recebeu e como ela gastou esse dinheiro evitando punições”.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Como montar produções legais usando Patches


As aplicações em roupas e acessórios estão com tudo. Em entrevista ao MGTV, a Master Coach, Visagista e Consultora de Imagem, Tuka Moreira, da empresa Irmãs Coaches, dá dicas de como usar os patches até em ambientes corporativos.

Confira a entrevista completa em: www.irmascoaches.com.br

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Como prevenir doenças circulatórias

Segundo o Ministério da saúde, cerca de 30% das mortes no Brasil estão relacionadas às doenças circulatórias.


Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as doenças circulatórias são as que mais matam pessoas no Brasil e no mundo. Um estudo realizado pelo Ministério da Saúde aponta para uma média de mais de 30% de mortes ao ano. A angiologista Juliana Biagioni, especialista em cirurgia vascular, explica que o sistema circulatório realiza o trabalho de distribuição de sangue e fluido linfático em todo o corpo. “Qualquer mau funcionamento das artérias e veias pode resultar em complicações que por sua vez pode afetar o funcionamento de outros órgãos”.

Essas doenças podem ser divididas em três grupos: as venosas, as doenças do sistema circulatório dos vasos linfáticos e as doenças circulatórias arteriais. De acordo com a médica, entre as doenças venosas, as mais comuns são a trombose venosa profunda, a insuficiência venosa e varizes. Nas doenças arteriais, destacam-se os aneurismas, doenças arteriais periféricas, acidentes vasculares cerebrais e infartos. “Esses três últimos causados principalmente pela aterosclerose que é o acúmulo de placas de colesterol na parede das artérias”, afirma.

Segundo a especialista, a frequência dessas doenças varia muito em relação ao sexo e idade de aparecimento. “Elas podem se desenvolver em qualquer idade, porém essa incidência aumenta com o avanço da idade e são mais prevalentes a partir dos 50 anos de idade. Algumas, como as varizes, são mais frequentes em mulheres devido à questão hormonal. Outras, como o acidente vascular cerebral e o infarto, apresentam uma incidência maior em homens”, afirmou.

Ela acrescenta que no verão, as pessoas que apresentam doenças venosas e linfáticas ficam um pouco mais expostas aos sintomas e às complicações, já que nesse período de calor, a tendência das pernas ficarem mais edemaciadas é maior e a sensação de queimação, peso e cansaço também se intensifica.

Prevenção e tratamento

A angiologista garante que existem várias formas de prevenir as doenças circulatórias em geral e as medidas mais importantes são:
  • Parar de fumar; 
  • Fazer atividade física e evitar o sedentarismo;
  • Ter uma alimentação saudável;
  • Combater a obesidade;
  • Manter a pressão arterial controlada;
  • Manter a glicemia e o colesterol dentro dos limites normais;
  • Evitar o stress;
  • Evitar permanecer muitas horas parado na mesma posição, seja sentado ou em pé. A cada duas horas, caminhar um pouco ou subir e descer alguns lances de escada;
  • Fazer Check-ups periódicos com seu médico;

Juliana ressalta que uma vez diagnosticada a doença circulatória, seja venosa, arterial ou linfática, é importante perceber que as medidas preventivas devem continuar sendo realizadas. “Não se pode relaxar com nenhuma delas, pois as doenças circulatórias são evolutivas, assim, devemos sempre evitar ao máximo sua progressão rápida”.

A médica lembra que os tratamentos clínicos são diversos. “Nas doenças venosas e linfáticas, é indicado o uso de medicações, meias compressivas e de drenagens linfáticas realizadas com o fisioterapeuta especializado. Nos casos arteriais, existem medicações que trazem benefícios a esses pacientes. Tratamentos cirúrgicos podem ser necessários, como a cirurgia de varizes, as pontes de safena ou próteses e os procedimentos hemodinâmicos”, finalizou.